RSS

Fontes de Informação

Para a elaboração dos artigos presentes neste Blog procedi à leitura exaustiva de artigos sobre a Tradução e o uso das tecnologias na área. Os artigos em que me baseei podem ser consultados por qualquer pessoa. Basta acederem aos vários links na lista Sítios de Tradução que eu apresento na barra lateral direita do Blog e fazer uma pesquisa sobre o tema que procuram.

Outra fonte de informação importante que utilizei foi um guia de tradução intitulado: “quase tudo o que eu (sempre) quis saber sobre tradução – kit de sobrevivência”. Podem ter acesso clicando aqui.

Relativamente ao autor do artigo "Como Obter Serviços de Tradução de Qualidade", Alfonso Almeida, não posso dizer nada a não ser que é um colaborador do site Como Fazer Tudo. Achei o artigo muito interessante e por isso é que o publiquei para poderem ter acesso a ele, mas infelizmente não encontrei qualquer informação adicional sobre o seu autor.

Anúncios
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em Abril 26, 2012 em Informação&Conhecimentos

 

Translation and Technology: a Study of UK Freelance Translators [Artigo]

Autores: Heather Fulford and Joaquín Granell-Zafra – Business School, Loughborough University, UK. Heather Fulford é actualmente leitora e directora académica no Center for Entrepreneurship na Aberdeen Buisness School, na Universidade Robert Gordon no Reino Unido. Joaquín Granell-Zafra é docente na Universidade de Jaume I, no Departmento de Tradução e Comunicação da Universidade de Jaume I, em Castelló, Espanha.

Domínio Abrangido: Inquérito a tradutores independentes – utilização das TIC (no Reino Unido).

Data De publicação: Julho de 2005

Localização: The Journal of Specialised Translation (JosTrans) – http://www.jostrans.org/ – Jostrans é um jornal multilíngua especializado em tradução de assuntos não literários. Fundada em Janeiro de 2004, encontra-se online e só duas vezes por ano é publicada em revista.

Objectivos:

  • Projecto de pesquisa da utilização, familiaridade, conhecimentos e estratégias das TIC aplicadas a actividade da tradução por tradutores.
  • O projeto centra-se não só nas TIC específicas utilizadas durante o processo de tradução, mas também na autopromoção e gestão de projetos – gestão e marketing.
  • Divulgação das conclusões do estudo que poderão servir como ponto de referência aos profissionais desta área.

Público-alvo: Profissionais de tradução, tradutores com ou sem formação e estudantes de tradução.

Nossas Conclusões sobre o estudo:

  • Existe uma maior adesão por parte dos freelancers de softwares mais generalista do que de softwares mais específicos de tradução.
  • Existe ainda um grande cepticismo por parte da comunidade de freelancers, do Reino Unido, quanto aos benefícios da utilização destas tecnologias.
  • Em grande parte esse cepticismo deve-se ao facto dos tradutores não estarem familiarizados com ferramentas específicas de tradução.
  • Existe portanto a necessidade de dar a conhecer estas ferramentas à comunidade dos tradutores e futuros tradutores de forma a sensibiliza-los e orienta-los na sua correta utilização de modo a maximizar o seu trabalho, aumentando a sua produtividade e critérios de qualidade, tornando-os assim mais competitivos.

Tradução e tecnologia: Um estudo de tradutores freelancers do Reino Unido (2005).

Hoje em dia existe um grande número de tecnologia de informação e de comunicação (ICT) disponíveis para o tradutor. Tanto ao nível de Software mais generalista como mais específico, como a gestão terminológica e sistemas de memórias de tradução. Este estudo revela a adopção generalizada de softwares mais generalista por parte dos tradutores, mas uma menor adesão em relação a softwares mais específicos, tais como programas de contabilidade, software de gestão terminológica e memórias de tradução. A consciencialização para a necessidade da utilização destas ferramentas de tradução é baixa e existe por parte dos profissionais um grande cepticismo quanto à necessidade e valor destas tecnologias.

Introdução

Na última década a necessidade de serviços de tradução aumentou exponencialmente, devido a vários factores como o crescimento do mundo empresarial, a globalização, o recurso à Internet como ferramenta de marketing, o aperfeiçoamento de Software de localização e o aumento de transacções internacionais (“Global Village”). Na Europa o aumento de transacções comerciais entre os países e o aumento contínuo da zona Euro despertou a consciencialização para uma demanda cada vez maior de tradutores e o aperfeiçoamento dos seus serviços – Traduções de qualidade realizadas num curto espaço de tempo. De forma a ir ao encontro das exigências do mercado e de reduzir custos, as empresas recorrem cada vez mais aos serviços de freelancers. Desta forma as empresas cortam tanto nos custos de Software como de mão-de-obra.  Esta descentralização foi possível com a proliferação de PCs e de uma inovação das metodologias de trabalho (ex. envio de trabalhos por E-mail e o acesso generalizado a sistemas de Software) permitindo ao freelancer realizar o seu trabalho de uma forma eficaz, sem a necessidade de uma presença física. Este estudo pretende abordar a adoção de tecnologias de informação e comunicação (ICT) por parte da comunidade de Freelancers no Reino Unido. Trata-se de um projeto financiado pelo Engineering and Physical Sciences Research Council (EPSRC) que investigou durante três anos a adesão por parte dos freelancers do Reino Unido a Tecnologias de informação e Comunicação (ICT).

Antecedente

Este projecto não pretende concentrar-se somente no ICT que suporta as chamadas actividades “centrais” de um tradutor (Ex. produção de texto, gestão terminológica, conservação e recuperação de segmentos de textos traduzidos anteriormente e tradução automática). Actualmente as tarefas realizadas por um freelancer abrangem áreas mais abrangentes do que aqueles realizadas por um tradutor convencional. (ex. orçamentos, aquisição de Software e Hardware, marketing, angariar clientes, contactar com o cliente, contabilidade, gestão financeira). Não se pretende investigar o grau de automatização que os tradutores estão dispostos a utilizar nas suas actividades principais de tradução mas sim a grande variedade de aplicações de Software que os tradutores adoptam individualmente para cada etapa, que faz parte do seu planeamento de trabalho. Esta perspectiva de “processo orientado” mais abrangente do posto de trabalho do tradutor já tinha sido abordada anteriormente por Austermühl. Ele defende que as tecnologias de informação e comunicação (ICT) utilizadas pelo tradutor têm que incorporar tanto o conceito de “tradução como um negócio” como o de “um processo linguístico e cultural”. No entanto a sua abordagem não é específica ao trabalho do freelancer, logo não contempla factores importantes como marketing e gestão financeira. Este estudo alarga a abordagem de Austermühl, contemplando estes factores, providenciando uma abordagem mais abrangente da esfera de Accão do trabalho de um freelancer.

Tradutores Freelancers: Esfera de acção e suporte ICT

Esfera de Acção: Produção de documento. Ex: produzir e formatar textos de chegada; substituir textos de partida com textos de chegada

Suporte ICT:

  • Software de Processamento de texto (ex. MS word, Word perfect);
  • Software gráfico (ex. MS PowerPoint);
  • Sofware de Webdesign (ex. MS Frontpage, Dreamweaver);
  • Software de layout de página (ex. QuarkXpress, PageMaker).

Esfera de Acção: Procura e recuperação de informação. Ex. localizar bibliografia e material de referência, informação acerca do cliente, identificar terminologia, localizar definições de termos, encontrar exemplos de contextos, gerir glossários terminológicos pessoais.

Suporte ICT:

  • Motor de busca de Internet (ex. Google, Altavista);
  • Enciclopédias electrónicas/ obras de referência (ex. Encyclopaedia Britannica, Encarta);
  • Bases de Dados Terminológicas (ex. EuroDicAutom, CILF);
  • Corpus/Arquivos de documentos (ex. British National Corpus, New Scientist Archive);
  • Bibliotecas electrónicas (ex. The British Library, Biblioteca Nacional de Espana);
  • Dicionários electrónicos e/ou glossários (ex. yourdictionary.com, Lexicool);
  • Software de base de dados (ex. MS Access, FileMaker);
  • Software de gestão terminológica (ex. MultiTerm, Lingo).

Esfera de Acção: Criação/Produção da tradução – Formulação de tradução.

Suporte ICT:

  • Memórias de tradução (ex. Trados, Déjà Vu, SDLX, Transit);
  • Tradução automatizada (ex. Reverso Pro, Systran).

Esfera de Acção: Comunicação. Ex. contactar com clientes, trabalhar por Internet com colegas.

Suporte ICT:

  • E-Mail (ex. Webmail, MS Outlook, Thunderbird);
  • Listas de E-mail (ex. LANTRA-L, The LINGUIST List);
  • Grupos de discussão on-line (ex. Proz.com, TranslatorsCafe.com)

Esfera de Acção: Comunicação.Marketing & angariação de trabalho. Ex. promover serviços de tradução, procurar clientes, licitar contratos de tradução.

Suporte ICT:

  • Ter uma página de Internet;
  • Publicidade on-line (ex. Foreignword.biz, Proz.com)

Esfera de Acção: Comunicação.Gestão empresarial. Ex. gestão de clientes & dados de contrato, cotações de contratos, licitar/facturar, gestão financeira.

Suporte ICT:

  • Software de base de dados (ex. MS Access, FileMaker);
  • Software de folhas de cálculo/planificação (ex. MS Excell, Lotus 1-2-3);
  • Programas de contabilidade (ex. Sage, QuickBooks).

Métodos de pesquisa:

Para este projecto de investigação realizou-se um inquérito enviado por E-mail, no final de 2003, a 1400 tradutores freelancers no Reino Unido. O questionário foi organizado com as seguintes secções:

  • Perfil do tradutor: abrange dados demográficos, detalhes de formação e qualificação, conhecimentos e competências de ICT.
  • Familiaridade e uso de ICT: abrange Software generalista, Software específico de tradução, outros softwares de especialização (programas de gestão financeira), recursos linguísticos com base na Internet, ferramentas online e tecnologias de comunicação.
  • Estratégia ICT: abrange a opinião dos tradutores acerca do uso do ICT no seu planeamento do trabalho de tradução, as suas percepções acerca das tecnologias de tradução e as suas abordagens em relação a planificações empresariais e questões de estratégias.

Resumo dos resultados do inquérito

Dos 1400 inquéritos enviados foram aceites e analisados para este estudo 391 respostas de freelancers cuja atividade principal era a tradução.

Perfil dos Inquiridos

Sexo:

  • 63% Mulheres.
  • 37% Homens.

Idades:

  • 4% – Entre os 20 e os 29 anos.
  • 23% – Entre os 30 e os 39 anos.
  • 30% – Entre os 40 e os 40 anos.
  • 26% – Entre os 50 e os 59 anos.
  • 17% – Mais de 60 anos.

 Experiência:

  • 24% – 6 a 10 anos de experiência em tradução
  • 36% – 11 a 20 anos de experiência em tradução.
  • 20% – Trabalham como tradutores à mais de 20 anos.
  • 20% – Iniciantes na profissão com experiência até 5 anos.

 Educação e Qualificações:

  • 92% – Possuem qualificações de um estabelecimento do Ensino Superior.
  • 71% – Obtiveram uma ou mais habilitações: licenciatura ou mestrado em Estudos de Tradução ou pós-graduação em Tradução.

Línguas Principais:

  • 37% – Alemão para Inglês.
  • 37% – Francês para Inglês.
  • 16% – Espanhol para Inglês.
  • 10% – Esta percentagem possui vários conjuntos de Línguas: Inglês para Alemão; Russo para Inglês e Italiano para Inglês.

 Especializações (por ordem descendente):

  • Negócios / Comércio.
  • Tradução Técnica (Ciência e Tecnologia).
  • Tradução Jurídica.

 Competência Informática:

  • 85% – Adquiriram conhecimentos informáticos por si próprios – autodidactas.

Adopção de Tecnologias de Informação e Comunicação

Actividades de Produção de Documentos:

  • 99% – Utilizam programas de processamento de texto.
  • 25% – Utilizam programas de edição e exibição de apresentações gráficas (como o Powerpoint).
  • 17% – Utilizam um conjunto de programas de paginação electrónica.
  • 13% – Utilizam programas de desenvolvimento voltados para a Internet (como o Dreamweaver e o Frontpage).
  • Apenas um pequeno número dos inquiridos utiliza programas de reconhecimento de voz, a par das aplicações de reconhecimento óptico de caracteres.

Actividades de Pesquisa e Extracção de Informação

  • 85% – Utilizam motores de busca na Internet.
  • 79% – Consultam dicionários online e / ou glossários.
  • 59% – Utilizam bases de dados terminológicas multilingues.
  • 51% – Utilizam outros recursos de consulta online, incluindo arquivos de texto e documentos.
  •  38% – Utilizam enciclopédias online.
  • 30% – Recorrem a publicações académicas disponíveis online.
  • 24% – Utilizam sistemas de gestão terminológica específica (como o MultiTerm, Lingo e TermWatch) para gerirem os seus levantamentos pessoais de terminologia. 50% dos tradutores não estão familiarizados com este tipo de ferramentas.

Características dos Utilizadores de Sistemas de Gestão Terminológica Específica:

  • Intenção de se especializarem em tradução técnica, nas áreas científica e tecnológica.
  • Entre estes utilizadores, existem tradutores que dominam uma combinação de pares de Línguas.
  • Entre estes utilizadores, a idade média é menor do que a idade média de todos os inquiridos.
  • Entre estes utilizadores, o número de pessoas com pós-graduações em Tradução de um estabelecimento do Ensino Superior é maior do que o total de todos os inquiridos.
  • Têm um maior rendimento / produtividade.

 Actividades de Criação de Tradução:

  • 28% – Utilizam CAT Tools, como as memórias de tradução. Quase 50% dos tradutores não são estão familiarizados com este tipo de ferramenta.
  • 5% – Utilizam programas de tradução automática. 75% dos tradutores não estão familiarizados com este tipo de ferramenta.
  • 2% – Utilizam ferramentas de localização, como o Alchemy Catalyst e o Passolo.

 Actividades de Comunicação:

  • 93% – Utilizam o correio electrónico.
  • 33% – Participam em listas de correio electrónico ou grupos de discussão online para tradutores.

Ligação à Internet:

  • 68% – Utilizam ligação por modem.
  • 26% – Utilizam ligação de banda larga.
  • 6% – Utilizam uma combinação das duas anteriores.

Actividades de Promoção e Aquisição de Trabalho:

  • 21% – Têm websites pessoais para promover os seus serviços. Os níveis de Produtividade (de acordo com o volume de trabalho aceite) são maiores entre os inquiridos que possuem websites pessoais.
  • 33% – Utilizam mercados de trabalho online para promoção e aquisição de trabalho (como o ProZ.com, TranslatorsCafé.com, Aquarius). Quase 50% não estão familiarizados com este tipo de ferramentas online.

Actividades de Gestão de Negócio

  • 79% – Utilizam um conjunto de programas de folhas de cálculo.
  • 25% – Utilizam um conjunto de programas de bases de dados.
  • Apenas alguns tradutores utilizam programas direccionados para a gestão de negócio:
    •   13% – Utilizam um conjunto de programas específicos para a gestão de contabilidade / finanças.
    •  2% – Utilizam programas de gestão de projectos.

Posições relativas às Tecnologias de Informação e Comunicação

As posições dos inquiridos em relação às Tecnologias de Informação e Comunicação foram muito positivas. A maioria dos tradutores considera importante a sua utilização, como suporte de trabalho, principalmente nas actividades de comunicação e extracção de informação, como a identificação da terminologia e recolha de material de referência.

Benefícios das Tecnologias de Informação e Comunicação apontados pelos inquiridos (por ordem descendente):

  • Economia do tempo de trabalho.
  • Maior qualidade do produto final.
  • Maior eficiência como tradutores.
  • Melhor comunicação com os clientes.

CAT Tools – Os tradutores parecem pouco convencidos do seu valor e dos benefícios da sua utilização. Aqueles que utilizam as CAT tools são, normalmente, mais receptivos do que aqueles que ainda não o fazem.

Estratégias de adoção das Tecnologias de Informação e Comunicação por parte dos freelancers

Os freelancers, tal como outros gestores de pequenos negócios, têm a tendência para não seguir qualquer estratégia formal. Em vez disso, os inquiridos estão, normalmente, preocupados em assegurar que os seus investimentos nas Tecnologias de Informação e Comunicação correspondem às necessidades do seu negócio. A norma de conduta de muitos dos inquiridos (uma abordagem ponderada) é assegurar que a adopção das Tecnologias de Informação e Comunicação melhoram a sua eficiência e produtividade.

Discussão e Sugestões

Os resultados dos inquéritos indicam que houve uma adopção crescente de aplicações de programas generalistas para auxiliar as mais variadas actividades que fazem parte do trabalho do tradutor freelancer. Contudo a utilização de aplicações de programas especializados orientados para a tradução (como os sistemas de gestão terminológica e as memórias de tradução) é mais reduzida. Da mesma forma, a adopção de programas especializados para auxiliar as funções do negócio, como a gestão financeira e contabilidade, é limitada. A não utilização destas ferramentas de tradução deve-se ao facto de os tradutores não estarem familiarizados ou não terem conhecimento dos programas. Aqueles que utilizam as ferramentas de tradução têm, normalmente, uma opinião positiva sobre os seus benefícios.

Sugestões Para os Tradutores Recentemente Qualificados:

  • Instalar um terminal de computador com acesso à Internet, incluindo aplicações de programas generalistas.
  • Ter uma base sólida de conhecimentos relativamente aos programas generalistas, incluindo folhas de cálculo e estratégias de pesquisa na Internet.
  • Adoptar apenas as Tecnologias de Informação e Comunicação que vão de encontro às necessidades do seu negócio.
  • Fazer uma reflexão sobre a utilização das ferramentas de apoio à tradução de forma a decidir se irão ou não adoptá-las.

Sugestões Para os Responsáveis Pelos Estudantes de Tradução:

  • Importância do encorajamento dos alunos para que desenvolvam competências técnicas na utilização de aplicações de programas generalistas, e não apenas em programas de processamento de texto, mas também num conjunto de programas de edição e exibição de apresentações gráficas (como o Powerpoint), folhas de cálculo e bases de dados.
  • Importância da exposição dos alunos às tecnologias de tradução.
  • Importância de ter uma base exaustiva de conhecimentos dos conceitos sobre os quais as tecnologias da tradução se apoiam. Isto ajudará os futuros tradutores a ter uma maior noção das capacidades destas ferramentas, aumentando a sua familiaridade com as suas funcionalidades e componentes principais.

 Sugestões Para as Associações para Tradutores:

  • Devem aumentar, de uma forma continua, o conhecimento, entre os seus membros, sobre os desenvolvimentos tecnológicos na área da Tradução.
  • Devem fornecer um fórum para os tradutores aprenderem e discutirem questões relacionadas com a adopção das novas tecnologias.

 Sugestões Para os Tradutores Profissionais:

  • Têm a responsabilidade profissional de aproveitar as oportunidades oferecidas (como participar em seminários, workshops, discussões online, etc) pelas suas associações profissionais, de forma a ajudá-las a estarem ao corrente dos avanços tecnológicos na área da Tradução e também para os ajudarem a atingir os seus objectivos de qualidade e produtividade.

 Apesar de os sistemas de gestão de terminologia e as CAT Tools estarem disponíveis no mercado de trabalho há alguns anos, a adesão por parte dos freelancers não é muito elevada. Cepticismo é detectado entre os inquiridos relativamente ao valor destas ferramentas e há falta de confiança nos possíveis benefícios da sua utilização. Para aumentar a adesão às tecnologias da Tradução, os produtores e / ou distribuidores podiam prestar atenção aos conselhos dados por Martin Kay, no seu relatório sobre computadores e tradução. Resumidamente: os produtores e / ou distribuidores das tecnologias da tradução, de forma a aumentar a adesão às ferramentas, devem fornecer os programas separadamente em vez de os agregarem num conjunto que contenha vários programas. A promoção destas ferramentas deve ser acompanhada por uma orientação clara aos tradutores, sobre a sequência de adopção de ferramentas que eles podem seguir (da gestão terminológica, à memória de tradução, aos filtros para traduzir formatos de ficheiros específicos, até às funções de gestão de projecto). Desta forma seria permitido ao tradutor “dar pequenos passos” em direcção à adopção das ferramentas de Tradução e a sua confiança no auxílio dos programas disponíveis iria aumentar.

Conclusões

A utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação pelos tradutores freelancer do Reino Unido é um assunto oportuno e relevante de investigação, dada a elevada percentagem da comunidade de tradutores que trabalha agora em regime de freelancer, e dada a crescente variedade de aplicações de programas, tanto generalistas, como específicos para a Tradução, disponíveis para a sua utilização. No entanto, detalhes específicos sobre a adoção das Tecnologias de Informação e Comunicação pelos tradutores freelancer são bastante limitadas, e assim foi iniciado um estudo empírico exploratório deste domínio. Os resultados de uma análise estatística sugerem que as aplicações de programas generalistas são amplamente utilizadas, mas há menos indícios da adoção de ferramentas específicas de tradução. Embora esta pesquisa apresente várias perspetivas importantes sobre a adesão das Tecnologias de Informação e Comunicação por parte dos freelancers, existe ainda a necessidade de mais estudos complementares. É especialmente importante estabelecer indicações mais claras das razões para a adoção e não-adoção de tecnologias de Tradução por parte dos freelancer.

Se quiseres podes ler o artigo original sobre o qual fizemos este resumo: Translation and Technology: a Study of UK Freelance Translators

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em Março 28, 2012 em Tarefas Desenvolvidas

 

Gestão de Projecto

Clica aqui para teres acesso ao documento em PDF.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em Março 24, 2012 em Tarefas Desenvolvidas

 

Frank Austermühl – Capítulo I : Electronic Tools for Translators

A Tradução Na Era Da Informação

Muito provavelmente, os tradutores são os profissionais que mais sentem as consequências, de longa duração, da era da informação. Cada vez há mais informação disponível sobre tudo e mais alguma coisa. Com a chegada da Internet e das novas tecnologias, a forma como os tradutores trabalham mudou drasticamente. A tradução tornou-se uma actividade dependente do uso do computador. Contudo, com estas mudanças, não nos podemos esquecer que as ferramentas electrónicas não são um substituto dos tradutores.

A Necessidade De Ferramentas Electrónicas

Precisamos, verdadeiramente, de ferramentas (electrónicas ou não) para nos ajudar na tradução?A tradução é desenvolvida em vários contextos. Um deles é caracterizado pela globalização, especialização e digitalização. A globalização ocorre em 3 níveis: tecnológico, político e económico. Estes três níveis iniciam um processo que permite a aproximação geográfica no estabelecimento e manutenção de relações económicas, políticas e socioculturais a longa distância.  A globalização levanta outra questão: será que nós, como cidadãos de uma “aldeia global” precisamos da tradução, quando temos ao nosso dispor uma língua franca (que é o Inglês)? O Inglês é a língua dominante a nível internacional. É especialmente usada no mundo dos negócios para estabelecer comunicação. Da mesma forma, o mundo da tecnologia é grandemente influenciado por esta Língua. Qualquer pessoa com acesso à internet pode comprovar que temos acesso a qualquer tipo de informação em inglês. A comunidade científica é ainda mais monolingue. O inglês é usado para quase a totalidade das publicações. O inglês é também a língua oficial das conferências científicas, independentemente do país onde ocorrem e do assunto em questão. Apesar de tudo, podemos estar descansados porque o fim da tradução não está próximo. Para além das instituições políticas, também as razões económicas contribuem para manter os tradutores a trabalhar. Por exemplo, o mundo dos negócios é casa vez mais multilingue devido ao facto de os clientes desejarem negociar na sua língua nativa.

A Crescente Exigência Da Tradução

O aumento da comunicação entre os diferentes países, a intensa competição internacional e a regulamentação mais severa relativamente aos produtos levaram a um rápido crescimento da exigência internacional dos serviços de tradução. A rápida expansão do mercado electrónico vai ter um grande impacto na indústria da tradução. Com cada vez mais tecnologia no mundo de hoje, também a tradução se torna mais necessária no que diz respeito à tradução de softwares, websites, entre outras coisas. O aumento da exigência da tradução resulta, também, do desenvolvimento da Internet. O número de utilizadores que não têm como língua nativa o inglês aumentou muito e, consequentemente, aumentou o interesse por websites noutras línguas, para além do inglês. Este número de utilizadores já ultrapassa os utilizadores de língua nativa inglesa. Desta forma, com o aumento do número de utilizadores da internet a nível mundial, aumentou o número de websites multilingues, havendo assim uma crescente necessidade da tradução. Parte desta necessidade é satisfeita através de métodos mais sofisticados de programas de tradução. E devido à competição internacional, os pagamentos dos tradutores irão estagnar ou diminuir. Podemos, contudo, concluir que a globalização contribui para a crescente necessidade da tradução e dos tradutores.

Digitalização, Automatização E O Seu Impacto No Mercado Da Tradução

  • Automatização: é a aplicação das máquinas a tarefas que antes eram desempenhadas por pessoas ou a tarefas que de outra forma eram impossíveis de desempenhar.
  • Digitalização: é a conversão de texto ou imagem para o formato digital.

Para além dos desenvolvimentos na competição internacional e da expansão da Internet, também a digitalização da economia global contribuiu para a crescente automatização na tradução. Quando olhamos para o futuro da tradução é importante percebermos as mudanças pelas quais os negócios internacionais e os processos de comunicação estão a passar. Estas mudanças são grandemente influenciadas pelo uso de meios tecnológicos modernos de informação e comunicação. Os sistemas de computadores e de comunicação são os factores mais importantes para estes desenvolvimentos. As telecomunicações, a internet e as indústrias de computadores transformaram a sociedade industrial numa sociedade de informação. Tudo isto alterou, permanentemente, a forma internacional de gerir os negócios. Os computadores tornaram-se num instrumento multifuncional. São um meio universal para a comunicação e cooperação. Hoje em dia, para obtermos sucesso no mundo profissional, é indispensável sermos aptos para trabalhar num computador.

A Influência Da Especialização E Diversificação No Tradutor

O mercado da tradução é grandemente influenciado pelo grande nível de especialização técnica e pela diversificação económica que se verificam hoje em dia. Cada vez há mais informação à nossa disposição. Por esta razão, as capacidades naturais do nosso cérebro necessitam de ser ajudadas por meios electrónicos para evitar um colapso sináptico. Isto significa que para além das bases de conhecimento naturais, tem de ser fornecidas bases de conhecimento electrónicas.

O Impacto Das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) Na Tradução

É inquestionável que os tradutores precisam de utilizar os computadores e a internet para poderem fazer o seu trabalho, nos dias de hoje. O aumento da qualidade da tradução e a crescente produtividade vão fortificar a posição de qualquer tradutor freelancer num mercado global de línguas, que é cada vez mais competitivo e está rapidamente em mudança. Em todo o mundo, as empresas sofreram mudanças a nível da organização devido à globalização e ao trabalho em rede. Nas empresas virtuais resultantes, os sistemas de subcontratação e de gestão do ritmo do trabalho tiveram um grande impacto no mundo da tradução. E graças a esse impacto podemos hoje falar de “tele-tradução”. Este conceito é baseado na suposição de que os tradutores podem comunicar com os clientes do outro lado do mundo; podem concorrer para pedidos de tradução independentemente da sua localização. Uma infra-estrutura IT sofisticada torna-se, deste modo, uma vantagem significativa em termos de aquisição de clientes. Para além disso, o rápido acesso a informação relevante e fiável, online e offline, tornou-se um ponto-chave na reaquisição de informação enciclopédica e linguística para as tarefas que estão a ser desempenhadas.

A crescente exigência de traduções técnicas de elevada qualidade já não é possível sem o uso de métodos electrónicos. Eis algumas realidades no mundo da tradução actual:

  • Os dicionários electrónicos online e offline podem ser facilmente actualizados, ao contrário dos dicionários impressos, e por esta razão são fontes de informação mais fiáveis.
  • Muitas editoras já optam por publicar trabalhos de referência online ou em DVD.
  • Muitas enciclopédias especializadas e publicações científicas optam por publicar online.
  • Muitos jornais e revistas fornecem o acesso aos seus arquivos online.
  • Também a correspondência entre tradutor – cliente é feita por meios electrónicos.

Vantagens dos recursos electrónicos:

  • Velocidade.
  • Flexibilidade.
  • Oportunidade.
  • Compreensão.

Tipologias Das Ferramentas Electrónicas Da Tradução

As ferramentas electrónicas de tradução incluem uma grande variedade de aplicações de computador, desde o programa mais simples ao topo de gama:

  • Correctores ortográficos.
  • Sistemas de tradução automática.
  • Processadores de texto.
  • Bases de dados terminológicas.
  • Enciclopédias electrónicas.
  • Dicionários online.
  • Editores HTML.
  • Ferramentas de localização.
  • Arquivos de jornais electrónicos.
  • Sistemas de Videoconferência.
  • Software gráfico.
  • Listas de endereços.
  • Memórias de tradução.
  • Revistas electrónicas.

Melby – Área De Trabalho Do Tradutor

  •  Nível 1: Processamento de texto, software de telecomunicações, sistemas de gestão de terminologia, etc.
  •  Nível 2: Análise de texto, pesquisa automática no dicionário, extracção de texto bilingue, etc.
  •  Nível 3: Tradução automática.

 O nível 1 foi muito utilizado durante os anos 90, ao contrário dos níveis 2 e 3. Hoje em dia os elementos do nível 2 estão totalmente implementados no mundo da tradução e fazem parte do dia-a-dia de trabalho de qualquer tradutor. As bases de memória de tradução são usadas por todas as grandes empresas, departamentos de tradução e freelancer. Os softwares de tradução automática não são considerados uma boa ferramenta de apoio devido à sua imperfeição. Talvez um dia, com a evolução da tecnologia, usemos esta ferramenta. Hoje em dia temos disponível software de extracção terminológica eficiente (integrado em software de ferramentas de localização) e fácil acesso a uma quantidade infinita de informação online.

Desde A Tradução Humana (HT) Até À Tradução De Qualidade Elevada Totalmente Automática (FAQHQT) – Dimensões Da Automatização Da Tradução

  • HT – Tradução Humana – Antigamente, a tradução era feita apenas por pessoas, equipadas com material de escrita e rodeadas de livros e dicionários. Hoje em dia isto não é realista.
  • FAQHQT – Tradução De Qualidade Elevada Totalmente Automática – a ideia de uma máquina realizar traduções, independente dos humanos, sem qualquer erro é tão irrealista como voltarmos a traduzir como antigamente.
  • CAT – Tradução Assistida pelo Computador– humanos e máquinas cooperam entre si para melhorar a qualidade das traduções profissionais:
    • MAHT – o tradutor recorre ao uso de software de processamento de texto, bases de dados terminológicas ou dicionários electrónicos.
    • HAMT – o tradutor utiliza memórias de tradução, as quais são criadas por ele ou sistemas de tradução automática que requerem uma pré e pós edição exaustiva por parte do tradutor.

Abordagem Ao Processo Orientado

O tradutor tem que determinar quais as ferramentas tecnológicas necessárias às várias etapas do processo de tradução de forma a optimizar o seu desempenho profissional. É necessário assegurar a compatibilidade entre as ferramentas e as etapas do processo. Isto é especialmente importante quando usamos os abundantes recursos fornecidos pela internet.

Gestão Do Ritmo de Trabalho Na Tradução

Vista como um negócio, a tradução não é uma actividade isolada, faz parte de um processo mais abrangente. O desejo do cliente e a tarefa do tradutor é integrar a tradução no ritmo da empresa da forma mais eficiente possível. Devem ser aplicadas determinadas estratégias para garantir uma tradução rápida, segura, flexível e de uma transferência eficiente de informação de baixos custos entre os associados envolvidos no processo de tradução.

Suporte De Transferência Linguística E Cultural

A tecnologia de tradução também é usada para auxiliar a parte central do processo de tradução: a transferência de informação multilingue e intercultural. Neste caso as ferramentas electrónicas funcionam, maioritariamente, como bases de informação que fornecem ao tradutor um conhecimento especializado. Podem ser usadas, independentemente do tipo de texto que estamos a traduzir. Segundo Holmes a recepção de um TP conduz a uma forma abstracta, a uma concepção mental desse texto – mapa. Essa abstracção é fortemente influenciada por factores contextuais, inter-textuais, situacionais e individuais. O tradutor transforma o mapa do TP num mapa do TC. Na tradução literária, mas mais frequentemente na tradução técnica, esta etapa pode envolver um grande grau de adaptação intercultural. A imagem mental resultante do TP é depois colocada na forma escrita através do passo que Holmes designa de “formulação”.

Elementos Principais do Processo (Exigem diferentes competências e actividades por parte do tradutor e diferentes características das ferramentas utilizadas no seu suporte.):

  • Recepção [Ferramentas e procedimentos: bases de dados terminológicas, dicionários, enciclopédias electrónicas, bases de dados de informação e extracção de termos.] – De forma a entender o TP e o domínio de conhecimento, enciclopédias, bases de dados e sistemas de recuperação de informação são tão importantes como o contacto com especialistas da área, seja ele através de fóruns de discussão ou lista de contactos. Nesta fase, o TP é analisado em relação aos aspectos funcionais e também para se descobrir as necessidades de informação do tradutor. Este primeiro passo pode também incluir uma análise estatística automatizada do texto que pode ser auxiliada por programas como o Word Cruncher, WordSmith, MonoConc ou outras ferramentas de extracção terminológica, que têm como objectivo filtrar a terminologia específica usada no texto. Este processo pode resultar em listas type-token e concordâncias KWIC (Key Word In Context), que mostram o termo isolado, a palavra-chave, no seu contexto. Estas listas podem ser usadas pelos tradutores – especialmente por uma equipa de tradutores responsável por um grande projecto – para assegurar a consistência durante a tradução. As concordâncias KWIC resultantes também podem ser directamente importadas para bases de dados terminológicas tais como o Multiterm ou Microsoft Access, onde pode ser adicionada informação adicional e ligações para outras fontes. Bases de dados terminológicas ou dicionários electrónicos podem depois ser usados para descodificar a informação linguística do TP.
  • Transferência [Ferramentas e procedimentos: bases de informação interactivas integradas, memórias de tradução e tradução automática.] – Esta fase requer um entendimento contrastivo multicultural profundo e fortes aptidões de comunicação intercultural. Os recursos para esta fase ainda são escassos: teriam de ser criados tipos de dicionários ou bases de dados terminológicas especiais para auxiliar o tradutor durante a transferência. Durante esta fase é necessária a constante combinação do trabalho em rede de linguística e do conhecimento enciclopédico e intercultural. Bases de dados terminológicas elaboradas ou sistemas de informática interactivos são soluções válidas. Uma das suas vantagens é a habilidade de incorporar não só a informação textual mas também sequências de áudio e vídeo, fornecendo a oportunidade de incluir nos trabalhos aspectos não verbais.
  • Formulação [Ferramentas e procedimentos: terminologia, dicionários, arquivos electrónicos, corpora digital e gestão de documentos.] – Nesta fase o tradutor é confrontado com desafios relacionados com a produção do TC. O uso de dicionários e bases de dados terminológicas auxilia o tradutor de uma forma eficaz. Os recursos têm que oferecer ajuda a nível das relações sintagmáticas dos termos. Os dicionários electrónicos e corpus textual (arquivos de jornais online, por exemplo) são exemplos destes recursos. Esta fase deve ser seguida por um processo de gestão de documentação para armazenar o TP e o TC num arquivo electrónico e importar a terminologia usada para um sistema terminológico de gestão pessoal. O texto traduzido pode também ser editado para aplicação de um sistema de memória de tradução.

Automatizar O Processo De Tradução

Os produtos criados para automatizar o processo de tradução (quase) completamente são:

  • Memórias de tradução – São basicamente base de dados que permitem o armazenamento paralelo de segmentos do texto do TP e do TC, numa frase ou mesmo ao nível da palavra. Esses segmentos podem ser recuperados para a preparação de um novo projecto de tradução. Um software especifico identifica se o texto a ser traduzido contém passagens que já foram armazenadas na memória de tradução. As traduções encontradas na base de dados são então fornecidas ao utilizador antes de ser iniciada uma nova tradução. Contudo, por vezes, as frases são exactamente iguais, mas o software de memória de tradução tem uma opção denominada de “fuzzy matching”. Esta técnica procura na base de dados segmentos que são muito parecidos ao TP original. IBM’S Translation Manager, Atril’s Déjà Vu ou Trados’ Translator’s Workbench são algumas memórias de tradução.
  • Software de ferramentas de localização. Fornecem várias aplicações relacionadas com a tradução numa única plataforma. Dependendo da sua configuração, de programas de ferramentas de localização terminológica integrada, da pesquisa automática do termo, memórias de tradução e editores WYSIWYG (What You See Is What You Get). Estes programas são especialmente úteis na tradução de mensagens de software, menus, caixas de diálogo ou legendas de botões de comando. Corel’s Catalyst é um exemplo destes programas.
  • Sistemas de tradução automática. São usados para as traduções de textos que abrangem um campo enciclopédico e terminológico muito restrito e que são constituídos por estruturas frásicas muito simples.

Conclusão
As ferramentas de tradução assistida são indispensáveis para o trabalho do tradutor. Embora a capacidade linguística dos sistemas de tradução automática não tenha melhorado muito nas duas últimas décadas, as memórias de tradução e as ferramentas de gestão terminológica são muito utilizadas entre os profissionais dedicados à tradução técnica, que trabalham com textos especializados e muito repetitivos, e que requerem frequentes actualizações e uma terminologia coerente. Não é unicamente o processo da tradução, no sentido de automatização da palavra, que está a crescer constantemente, também o processo de pesquisa e de reutilização de informação está dominado pela informática, sendo a Internet a ferramenta mais importante e mais usada, inclusive como método de comunicação entre os tradutores e os clientes e para administrar o projecto.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em Março 10, 2012 em Tarefas Desenvolvidas

 

AP Portugal

Apresentação do website: AP Portugal – Empresa de Traduçãohttp://www.apportugal.com

Autores: A empresa particular AP Portugal. Esta assume a sua responsabilidade social e compromete-se a contribuir para um futuro melhor das crianças de hoje pelo que se encontra ligada institucionalmente ao ApoioXXI, um centro de apoio a crianças e jovens com dificuldades afectivas, cognitivas e psicomotoras.A bolsa de profissionais da empresa é gerida por Mário Júnior (Membro da American Translators Association), com larga experiência nas áreas de tradução e de gestão de projectos e equipas.

Público-alvo: Empresas e empresários que necessitem os serviços de tradução. Actua a nível nacional e internacional.

Data de criação: 1998.

Descrição geral: Empresa de traduções que tem como objectivo fornecer serviços de tradução, interpretação, transcrição e legendagem. A sua missão é tornar-se uma parceira de confiança de todas as entidades colectivas e particulares que necessitam de serviços linguísticos.

Serviços prestados:

  • Interpretação
  • Tradução
  • Transcrição
  • Legendagem
  • Locução
  • Audiolivros
  • Revisão, Ortografia, Gramática e Pontuação
  • Paginação
  • Gestão de Conteúdos e Comunicação

Conteúdos:

  • Apresentação da empresa;
  • Contactos;
  • Descrição dos serviços prestados;
  • Descrição da política e forma controlo da qualidade da empresa;
  • Lista de clientes (portfólio);
  • Preços e Pagamentos: condições e formas de pagamento;
  •  Destacam que os orçamentos são gratuitos: formulários online cujos dados serão analisados pela empresa e o orçamento fornecido num máximo de 24h;
  • Confidencialidade (as regras que seguem de forma a garantir e a preservar a confidencialidade dos dados que recebem dos clientes);
  • Existência de área reservada aos membros do website;
  • Possibilidade de subscrever à newsletter da empresa através do preenchimento de um formulário;
  • Mapa do site que facilita navegação;
  • Área para submeter candidatura, destinada a tradutores profissionais;
  • Apresentação de software de tradução WORDBEE Translator – instituição portuguesa seleccionada para ser o representante oficial – e informação apresentada sobre um curso de formação sobre o software;
  • Hiperligações para noticias do mundo da tradução;
  • Existência de uma barra de pesquisa ;
  • O site está traduzido em 6 línguas: EN/ES /FR/DE/IT/PT.

Destaques:

  • Serviços principais: Tradução, interpretação, legendagem, transcrição e paginação.
  • Orçamentos gratuitos.
  • Contacto – número de telefone.
  • Informações relevantes: membro oficial da ATA – Associação Americana de Tradutores, membro da LEXIS – Comunidade Internacional de Profissionais em Serviços Linguísticos e fundador do CATTI – Centro de Apoio aos Tradutores, Transcritores e Intérpretes. – Dá-lhes credibilidade.
  • Mais de 10 anos de experiência.

Design e navegação: A empresa investiu no design e na apresentação do website, tornando-o apelativo, funcional e consistente. Destaca tudo o que é importante, saltando o conteúdo mais importante à vista do utilizador. O contraste entre o preto e o amarelo funciona na perfeição, no sentido em que, tudo o que é destacado sobressai, tornando a navegação fácil, rápida e eficaz. É simples aceder às diferentes informações disponíveis no website. Encontra-se bem estruturado e dividido. Qualquer coisa que o utilizador procure, rapidamente a encontrará. Para além disto os contactos estão presentes em várias páginas. É um site prático e funcional, que permite um acesso rápido às informações disponíveis.

Características

  • Legível: o esquema de cores é coerente e equilibra a identidade visual da empresa. Possuí um tipo de letra que torna a leitura agradável. Os conteúdos estão hierarquizados de forma clara.
  • Boa navegação: as hiperligações e os conteúdos estão facilmente acessíveis e claros para o utilizador.
  • Actualizações e manutenção constantes: data da última actualização fixado no canto superior esquerdo.
  • Contacto facilitado: o utilizador é confrontado com os contactos que são várias vezes referidos e disponibilizados.
  • Rápido e funcional: funciona sem qualquer problema.
  • Foco no cliente: a empresa colocou-se no lugar do cliente durante a construção do website e consegue fornecer a informação da forma mais precisa e eficaz, de forma a que o cliente tenha acesso ao que é realmente importante para si e ao que verdadeiramente necessita.
 
Deixe o seu comentário

Publicado por em Março 10, 2012 em Tarefas Desenvolvidas

 

Corpógrafo

Actualmente, a necessidade da criação de recursos linguísticos em suporte informático é cada vez maior: são essenciais bons recursos linguísticos para apoiar as nossas actividades de produção e o acesso ao conhecimento. Sistemas como os correctores ortográficos, aplicações de recolha de informação ou tradução automática baseiam a sua eficácia em recursos linguísticos completos. É neste contexto que surge o corpógrafo: uma ferramenta de apoio à tradução.

O corpógrafo é  um conjunto de ferramentas, disponível online, para quem estiver interessado em pesquisar de uma forma autónoma. Permite-nos reunir um conjunto de textos em vários formatos; criar e analisar corpora; extrair terminologia; criar bases de dados terminológicas; armazenar o material estudado e exportar os resultados. Esta ferramenta é muito simples, não é necessário que o utilizador possua conhecimentos aprofundados de informática. As suas funcionalidades avançadas de pesquisa terminológica, directamente integrada num sistema de base de dados para uma fácil organização dos termos extraídos, são muito úteis para os tradutores. As capacidades de pesquisa terminológica (fundamentalmente em português e inglês, mas também em espanhol, francês, italiano e alemão) são complementadas com módulos de identificação de definições dos termos extraídos e de reconhecimento de possíveis relações semânticas entre os conceitos. Resumindo: o corpógrafo oferece-nos a possibilidade de compilar e organizar o nosso próprio corpora, a partir de documentos em formato PDF, Ms-Word, PostScript, RTF ou HTML.

O corpógrafo está dividido em quatro grandes áreas de trabalho:

1. Gestor –  Aqui encontram-se as ferramentas de edição e pré-processamento dos ficheiros. O Corpógrafo dá-nos acesso a uma área pessoal onde podemos armazenar ficheiros, que constituirão os nosso corpora. É nesta área de trabalho que vamos fazer a  gestão dos corpora que iremos criar. Tudo o que vamos fazer no gestor – considerado a base do corpógrafo – irá condicionar as nossas pesquisas posteriores , não só ao nível da eficácia, mas também ao nível da qualidade. Também é aqui que se encontram as ferramentas necessárias para prepararmos o nosso corpus, de forma a torná-lo pesquisável. Para depoid efectuarmos uma pesquisa rápida e eficaz, temos de preparar previamente todos os ficheiros à medida que os vamos introduzindo, isto é, temos de verificar se a divisão em frases (fraseamento) foi feita de forma correcta, classificá-los e categorizá-los.

2. Pesquisa – Aqui realizam-se as pesquisas genéricas. As ferramentas que aqui encontramos permitem-nos pesquisar e estudar o nosso corpus. Podemos efectuar pesquisas por expressões regulares, se pretendermos verificar concordâncias ou realizar estudos de N-Gramas, no caso de termos como objectivo saber a frequência com que ocorrem as palavras.

3. Centro de Conhecimento –  Aqui encontram-se as ferramentas que nos permitem gerir e organizar o conhecimento. É também aqui que se realizam as  pesquisas especificamente relacionadas com informação
conceptual, como é o caso da pesquisa de termos e de relações semânticas. Mais do que simples bases de dados ou listas de palavras, a informação que o Corpógrafo permite armazenar e gerir é uma teia complexa de elementos que representam a formalização do conhecimento linguístico e conceptual de um determinado domínio. O Centro de Conhecimento centra-se essencialmente na gestão das bases de dados terminológicas. O Corpógrafo permite armazenar sistematicamente em bases de dados criadas para esseefeito a informação relativa à terminologia que foi pesquisada usando as suas ferramentas.

4. Centro de Comunicação – Aqui podemos encontrar toda a documentação existente sobre o Corpógrafo, enviar comunicações ao Administrador do Corpógrafo e verificar as mensagens que recebemos.

 

MemoQ

Hoje apercebi-me que já não vinha aqui ao há algum tempo por isso decidi que estava na altura de criar um novo post. Escolhi como tema: o MemoQ. Este programa foi me apresentado pela primeira vez no semestre anterior. Tive oportunidade de me familiarizar e utilizar as suas funcionalidades principais. Apesar de não o ter explorado e experimentado de um forma aprofundada, como gostaria, vou partilhar aqui o que penso do programa.

O programa oferece ao utilizador uma interface bastante simples e agradável à vista. No menu Project Home temos seis menus disponíveis: Overview, Translations, Alignment, Translation Memories, Term Bases e Settings. No menu Overview temos acesso às estatísticas e informação sobre o nosso projecto actual. Neste menu, por exemplo, podemos adicionar ou remover línguas e criar handoffs (procedimento empregado em redes sem fio para tratar da transição de uma unidade móvel de uma célula para outra de forma transparente ao utilizador). No menu Translations encontram-se todos os documentos que inserimos no programa e em que estamos a trabalhar. Para cada texto temos a informação relativa ao progresso do trabalho – percentagem de texto traduzida – e a data da última actualização. É neste menu que inserimos ou removemos os documentos que queremos traduzir. No menu Translation Memories temos acesso às memórias de tradução, criadas por nós. É aqui que escolhemos e editamos as memórias de tradução que queremos utilizar no projecto em que estamos a trabalhar. Podemos utilizar mais do que uma memória de tradução no mesmo projecto. O menu Term Bases funciona exactamente da mesma forma, mas relativamente a bases terminológicas.

A imagem acima representa a janela onde editamos e traduzimos o texto. Existem 3 colunas. Na primeira coluna surge o texto original que inserimos, devido em segmentos. A segunda coluna existe para nós inserirmos a respectiva tradução. A  terceira coluna apresenta vários tipos de informação relativamente à tradução desenvolvida: apresenta os termos que fazem parte da base terminológica; excertos de textos similares presentes nas memórias de tradução que estamos a utilizar, entre outras coisas.

Nesta janela, no quanto superior esquerdo encontramos uma barra de pesquisa que nos permite ver os segmentos do texto original seguidos da respectiva tradução, segundo um critérios especifico à nossa escolha: ver por tamanho decrescente / crescente dos segmentos; ver de acordo com a compatibilidade com resultados inseridos na memória de tradução, entre outros.

Na minha opinião o MemoQ é bastante fácil de utilizar e muito intuitivo. É uma CAT Tool muito importante para os tradutores. Durante a tradução de um texto, o programa armazena as nossas propostas de tradução, e, quando se depara com um excerto de texto que é similar ou igual a outro traduzido anteriormente, apresenta os resultados das propostas armazenadas. Oferece-nos ainda a possibilidade de criar bases terminológicas e memórias de tradução; inserir  documentos que podemos utilizar como corpora. Tudo o que um tradutor necessita como apoio para a sua tradução.

Para mim o MemoQ tem muito para oferecer ao tradutor! Uma das suas grandes vantagens é o facto de permitir a importação de vários formatos de ficheiros: Microsoft Office, Indesign, FrameMaker, TagEditor, HTML, XML, PDF. Relativamente à terminologia revela-se muito eficiente: não tem limitação para o número de memórias e glossários que podemos criar e utilizar. Podemos criar uma mesma base de dados para os vários idiomas e oferece-nos ainda a opção de pesquisa automática de terminologia na memória.